domingo, 7 de junho de 2009

Moon River




Há cinco anos, uma parte de mim transmutou em essência, naquilo que de verdade eu acredito. Existem muitos marcos em nossas vidas. E com certeza, avalio a minha existência em antes e depois do dia 7 de junho de 2004. O falecimento de meu pai fez surgir novas reflexões em todo os meus conceitos de vida! Porém, estas são lembranças muito pessoais e íntimas e que não cabem ser descritas por aqui.

Ontem, já meio que me preparando para a memória dos cinco anos hoje relembrados, algo inusitado aconteceu. Estava em um passeio descompromissado por um shopping e da prateleira de uma grande livraria um DVD saltou aos meus olhos. Mais forte que o filme, a trilha sonora me trouxe lembranças com uma das músicas favoritas de meu pai. Era a inesquecível canção “Moon River” de Henry Mancini e Johnny Mercer, vencedora do Oscar de 1961 (ano anterior ao de meu nascimento). É a trilha do filme Breakfast at Tiffanys’s, que no Brasil foi renomeado muito superficialmente de “Bonequinha de Luxo”. Audrey Hepburn está magnífica no papel de uma descuidada e maluquinha garota de Nova York, conhecida como Holly Golightly.

Comprei o DVD e rapidamente voltei para casa. Lembro de comentar sobre este filme com meu pai. E naquelas relações normais pai-filho não me ative ao seu comentário de que achava o filme muito bom. Por que seria bom? Pelo roteiro? Por conta da atriz bonitona? Pelo clima de festa na trama? Eu já havia assistido a este filme outras vezes. E ao ver a famosa atriz na tela, o visual era muito similar ao de minha mãe pronta para uma festa elegante!

Sentado no sofá... DVD a postos e o controle remoto treme em minhas mãos. Quando ainda no menu, a música tema entoa alto seu refrão em minha sala, eu rapidamente senti um gelado em minhas coxas que eu sentia ao sentar de shorts no chão de minha casa, com algo em torno de três anos de idade. O piso frio, um enorme móvel de madeira com um imponente “Estéreo da Philips” e meu pai colocando um LP de vinil com uma foto do filme. Um choro profundo brotou do mais fundo de minha alma. Uma emoção que não sei descrever... Uma lembrança confusa, uma segurança que não tenho mais! Um mundo lindo e cheio de sonhos que eu vivi. Deixei esta emoção aflorar até me acalmar. Assisti ao filme!

Viajei em conversas que não tive com meu pai. E naquilo que não conversamos, ou talvez ontem nossos corações dialogaram sobre como ele via o mundo e como talvez estivesse assustado com as mudanças ocorridas nestes cinco anos. Estaria maravilhado com a evolução tecnológica que ele tanto admirava, mas assustado com os rumos deste planeta neste século 21, que ele pouco conheceu!

Vendo todo o filme, eu acredito que entendi porque ele o apreciou no começa da década de 60. Como filho tive sempre aquela avaliação dele como pai conservador. Hoje, eu tenho certeza que ele não era a ápice de um vanguardista, mas muito longe dos pensamentos super tradicionais. Um pouco machista, talvez tenha sido! Mas nada além do que a maioria dos homens de sua geração foram.

Entendi tudo. O filme mostra trechos de ascensão social, envoltos por um estilo “bon-vivant” romântico. Esse era meu pai! E essa é a doce lembrança que hoje juntei do passado.

Trailler do Filme "Breakfast at Tiffany's"

Ouça a versão original e outras gravações de Moon River:

Moon River (02'44'')
Intérprete:
Henry Mancini Compositor: Mancini Álbum: The Best Of Henry Mancini

Moon River (03'23'')
Intérprete:
Nancy Gustafson/Luciano Pavarotti Compositor: Mancini Álbum: Pavarotti & Friends 2

Moon River (02'58'')
Intérprete:
Zizi Possi Compositor: Henry Mancini Álbum: Para Inglês Ver... E Ouvir

Moon River (03:41)
Intérprete:
Barbra StreisandCompositor: Johnny MercerÁlbum: The Movie Album


Moon River (02:44)
Intérprete:
Ray ConniffCompositor: H. Mancini/J. MercerÁlbum: Ray Conniff'S World Of Hits

3 comentários:

DO disse...

Fiquei muito curioso sobre o filme...

Markinho disse...

A forma de como escreveu esta postagem me deixou sei la.. meio que emocionado... meio que pensativo... li o blog inteiro Rubão... show !!
Mas este aki me marcou naum sei pq... talvez por ser uma questão de pai e filho... bom.. eh isso... abraços.. e com ctza aki... vc sempre tera um leitor... hehe.. como vc disse no começo do blog que naum espera que ngm leia... eu leio... Bjooo c cuida ae... =)

Markinho Piu...

solangemtmello disse...

Não vi o filme, mas certamente vc me instigou a vê-lo! Muito emocionante seu texto e me remete também aos momentos vividos com meu pai... temos tudo a ver com essas origens e é muito importante resgatar isso! Eles estão vivos em nós, meu amigo! Um grande beijo!